segunda-feira, 27 de julho de 2009

Banda Epadu

Olá!...

Nesta postagem convido você a ouvir o som da Banda Epadu, que tinha a frente, no miolo dos anos 90, o Cláudio Figueiredo (que atua hoje mais como produtor cultural), mais uma leva de músicos craques, como o Jonas Santos (guitarrista e compositor), Arthur Alves (violoncelo), vários percussionistas etc e tal. Ela aparecia à mesma época e proposta da Nação Zumbi, que surgia em Recife. Tenho poucos dados desse cd-pérola do rock paraense, mas posso dizer que a banda era “da pesada”, de muita qualidade nas músicas e cenas. Cada show era sempre um vendaval. A banda ainda resiste, salvo o engano, por Brasília.

Da formação primeira deixaram essas 7 faixas que disponho aqui (na cara dura, rs). O material estava prontinho pra lançar... A rapaziada da Epadu que me perdoe, mas é um pecado deixar isso escondido no baú (se der bronca eu tiro do ar na hora).

Ouça aqui a Banda Epadu.


Obs.: parte desse registro acima compôs a trilha sonora do filme “Dias”, de Fernando Segtowich.


Ah, encontrei este texto de 2006 sobre a Epadu na Net, agindo por Brasília, onde mora o Jonas.

“O trabalho que o Grupo EPADU de Belém do Pará vem desenvolvendo desde 1993, estuda as manifestações étno-musicais, folclóricas, ritualísticas e mitológicas do homem amazônico, contextualizando-as numa proposta artístico-contemporânea”.

A Epadu é formada por: Jonas Djodjo (guitarra e voz), Sérvulo Portugal (voz e percussão), Ronaldo Farias (Voz e percussão), Mateus Ferrari (Violon cello), Josué (percussão), Riti santiago (bateria), Dido Mariano (contra baixo) e Edu (Flauta).

Vale a pena conhecer. É só ouvir...

Abraços do Quaderna!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Recado da Pérola do Tapajós

Recado sonoro da Lila Bemerguy(com a devida autorização):
-------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------------------------------------

Pessoal, ouçam essa. Esse é um daqueles presentes que não tem preço. Tô me achando...!

Ouça aqui: “Lila Rosa

Baixe aqui a "partitura" e a "capa".


Carta que a Lilá recebeu do filho do grande Maestro Isoca:
-------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------------------------------------


Prezada Lila Rosa e demais amigos,

Envio, em anexo, a valsa "LILA ROSA" (Wilson Fonseca), com arranjo que eu escrevi para Quinteto de Sopros [Flauta, Oboé, Clarinete, Fagote e Trompa] e Piano: partitura, capa e arquivos "midi" e "mp3" (execução simulada por computador).

A peça foi escrita originariamente, em 1971, para piano solo e dedicada à afilhada do compositor, Lila Rosa Sousa Bemerguy (filha do parceiro musical, o poeta Emir Bemerguy, e D. Berenice Bemerguy).

Continua o ciclo de arranjos camerísticos que tenho elaborado para composições dedicadas às musas do maestro Isoca.

Aliás, o poeta Emir Bemerguy é parceiro musical de três gerações da família Fonseca.

De parceria com meu avô José Agostinho da Fonseca (1886-1945), Emir Bemerguy escreveu, em 1970, a letra da "Canção do Forasteiro" (samba) - adaptação da música "O Relógio" (parte integrante da revista teatral "Eu Vou Telegrafar", de Felisbelo Sussuarana, de 1925); e a letra, em 1986, do schottisch "Idílio do Infinito" (1906), a primeira composição musical escrita em Santarém (PA).

A propósito, a "Canção do Forasteiro" (samba) foi cantada por mim, acompanhado do Conjunto "Os Mocorongos" (6ª faixa do lado B do disco Long Play "Santarém do Meu Coração" - volume 1, que registra a gravação da "Semana de Santarém", realizada no Theatro da Paz, em Belém-PA, em outubro de 1972). Confira no livro de Wilmar Dias da Fonseca, intitulado de José Agostinho da Fonseca: O Músico-Poeta, Imprensa Oficial do Estado do Pará, 1978, Belém/Santarém (PA), p. 152. Eram integrantes do Conjunto “Os Mocorongos”: Wilson Fonseca (piano), José Agostinho da Fonseca Neto (órgão e contrabaixo), Vicente Fonseca (violão), Djalma Vasconcelos (bateria) e Conceição Fonseca (ritmista).

E quanto ao "Idílio do Infinito", transcrevo o registro que fiz na biografia que venho elaborando sobre meu avô José Agostinho da Fonseca:
A sua primeira composição, o schottish “Idílio do Infinito” (1906), foi executada pela Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, na Casa da Cultura, em Santarém (PA), em 17 de novembro de 2006, com arranjo orquestral elaborado por seu neto Vicente José Malheiros da Fonseca, especialmente escrito para comemorar o centenário desta peça, considerada a primeira música escrita na “Pérola do Tapajós”, durante o lançamento da coletânea “Meu Baú Mocorongo” (Wilson Fonseca – Maestro Isoca), editada pelo Governo do Estado do Pará, data em que também ocorreu a inauguração, pela Infraero, do busto do seu filho no Aeroporto de Santarém (PA) – “Maestro Wilson Fonseca” (Lei Federal nº 11.338, de 03.08.2006 – DOU 04.08.2006).
(...)

Emir Bemerguy escreveu diversos textos poéticos para músicas compostas por meu pai Wilson Fonseca (1912-2002), que se tornaram clássicos do cancioneiro santareno: "Adeus, 'Vera-Paz'"; "Cabocla Tapajônia"; "Canção da 'Vera-Paz'"; "Curupira"; "Feira Santarena"; "Hino da Festa de N. S. da Conceição"; "Peixada na Praia"; "Quando Canta o Uirapuru"; "Saudade da Seresta"; "Sonho Predileto"; "Triunfal Consagração" e tantas outras.

Eu também compus algumas músicas com letras de Emir Bemerguy.

Fiz um breve levantamento de minha obra musical (que registra mais de 800 composições) e verifiquei que o poeta Emir Bemerguy é meu parceiro em 12 músicas, como letrista.

Eis a relação:

1. "Queixumes do Fim" (samba lento)
2. "Missa Popular" (7 partes)
3. "Hino do Coral de Santarém" (música: Vicente Fonseca e Wilson Fonseca)
4. "Praça da Matriz" (marcha-rancho)
5. "Jóia de Deus" (samba lento)
6. "Lenda da Vitória-Régia" (canção – samba)
7. “Hino das Olimpíadas do Colégio ‘Dom Amando’”
8. "Lenda da Mãe D'Água" (toada moderna – samba lento)
9. "Eliane (II)" (valsa)
10. "Tempos de Criança" (samba-enredo)
11. "Hino ao Centenário do Theatro da Paz"
12. “Saudade Perfumada” (Elegia para Telminha) – canção
(...)

A foto da capa da partitura musical, ora enviada, foi extraída do álbum de fotos de Lila Bemerguy, no orkut:

http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=4319083082404820243

http://www.orkut.com.br/Main#AlbumZoom.aspx?uid=11591020479937149698&aid=1236118424&pid=1236145954101

Não tenho certeza se o e-mail que consta no cabeçalho desta mensagem ainda pertence a Lila Rosa Bemerguy, pois não localizei o seu endereço virtual no orkut e no seu blog: http://blogdalilarosa.blogspot.com/

Por isso, também estou enviando cópia desta mensagem a parentes de Lila Rosa, com o pedido de que, se possível, façam chegar às mãos da homenageada esta mensagem e os anexos, o que, desde logo, agradeço.

Desconheço se Emir Bemerguy chegou a elaborar a letra para a bela valsa "Lila Rosa", dedicada à sua filha, que se encontra nas páginas 117-118 do 3º Volume da Obra Musical de Wilson Fonseca ("Valsas, Modinhas, Toadas, Tangos e Canções"), publicado em 1984, e que remeto em anexo, com o arranjo que elaborei para Quinteto de Sopros e Piano.

Abraços,

Vicente Malheiros da Fonseca.
http://www.trt8.jus.br/juiz/juizes_togados.asp

terça-feira, 21 de julho de 2009

Quaderna no Vadião da UFPA

Olá!...

O Quaderna foi convidado a participar do evento que sela a formação (magistério) de assentados pelo NPI. A tocada será nesta quinta-feira, dia 23, a partir das 18h, no Vadião da UFPA. O convite está aberto a todos! Vamos nessa!...
Abraços do Quaderna!

segunda-feira, 20 de julho de 2009

“OURÉM, SOB UM NOVO PONTO DE VISTA”

Novamente o papo sobre Ourém e sua música. Por Arlindo (mordido) Matos:

A frase do título acima não é minha, mas de um conviva que acabara de chegar dos Estados Unidos e ouvira minha idéia em fazer um festival da canção alternativo no Morro da Capelinha, ponto mais alto da cidade, lado oposto e extremo a orla nervosa da cidade de Ourém, onde outrora fora palco de maravilhas charmosas da cultura de um povo ordeiro e hospitaleiro.

Ourém que nas rodas de gozação seria a “terra do contrário” ou “terra do já teve” continua fazendo jus a essa pecha engraçada, porém trágica do ponto de vista lógico daqueles que velam pela mantença das tradições enraizadas em seu torrão. Isso nunca será engraçado, pois já perdemos tanto em nossa trajetória de quase trezentos anos, que mais uma não seria tão difícil de suportar. A ordem é levar a porrada e dizer amém. Dizem os que atentam contra os interesses do povo que acabar com o maior e mais antigo festival da canção do norte do país, será motivo de lamentação para apenas meia dúzia de intelectuais da cidade. Decerto o resto do povo foi chamado de desinteligente, para ser bonzinho, incluindo-se quem falou tal heresia. Eu mesmo ouvi um comparativo infeliz de uma das engrenagens do poder, que disse na minha cara: “Entre mestre Cardoso do boi bumbá ou qualquer outro artista de Ourém o Município prefere as mega-aparelhagens de Belém”. Uma pena e mesmo respeitando o gosto e os profissionais de som do Pará, mas é difícil engolir o desdém de quem é pago por nós pra levantar nosso orgulho, nossa auto-estima. Constatamos que estamos pagando literalmente os algozes da nossa cultura.

Ourém já perdeu ao longo dos séculos muito território e status. Emancipações foram diversas, órgãos outros tantos e agora pode perder sua identidade. Até bem pouco tempo ser filho de Ourém significava ser culto, hospitaleiro, esportivo e ordeiro. Hoje os asnos campeiam por aqui e uma nova ótica está sendo moldada para tratarem os frutos desta terra e os peixes deste rio. Acho que está em processo a ferra da “escrotice” para marcar a testa de nosso povo por muitos anos a fio.

E o propalado festival da canção, maior ícone da cultura de Ourém está indo pro brejo como se fora um estorvo e ninguém há de protestar? O festival da canção que virou lei municipal está sendo empurrado para o “beleléu” sem direito a um defensor público sequer? Cadê os fundadores do evento que lamentam engolindo o choro? Cadê os laureados e “reconhecidos” filhos de Ourém que rosnam, mas em seguida “balançam o rabo”, jogam a pedra, mas escondem a mão temendo “Nero incendiar Roma” ?

Dizem as escrituras que no ano 33 Pedro negou Cristo por três vezes e em 2009, em pleno terceiro milênio, temos aqui uma porção de “pedrinhas de seixo” pererecando como pipoca, ou na gíria, “pipocando” mesmo diante do espelho que ninguém quer ver. Parabolicamente ou metaforicamente esse seixo miúdo nada mais é do que a maioria dos filhos da terra que sempre se disseram criadores e fundadores deste tão nobre evento. Poderia citar uma porção de “pedrinhas” que seriam os “Pedros” atuais que agora “amarelam” diante do altar, mas não precisa citar, pois já fora dito, e parece que com razão, que temos apenas meia dúzia de intelectuais na cidade decididos a lutar efetivamente por nossa cultura. Nossas “pedrinhas” estão por aí esparramadas detrás das moitas da covardia. São covardes mesmo porque não encontraria outro adjetivo tão bem empregado aos que negam sua Pátria camuflando suas bandeiras.

Esta crônica foi motivada para que fique em registro antecipado, que este que voz escreve não bate palma nenhuma para os agentes ante-culturais e muito menos tolera a inércia dos “convenientes de plantão” de Ourém, tão responsáveis como nossos algozes institucionalizados pela nossa derrocada e que minha emoção caiba dentro de toda razão... Abraços para os que crêem no meu brado e chute nos cães que mordem meus calcanhares. Viva a Cultura de Ourém!


Arlindo Matos, em 19/07/2009.

RG: 3642550-SSP/Pa

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Nem nasceu...

Outro recado lá de Ourém, do Arlindo Matos:

O "Festival de Música da Montanha", divulgado aqui, talvez nem role. O evento sofre com a velha falta de verba. Era uma opção na falta do tradicional Festival da Canção Ouremense, com seus 20 e tantos anos de estrada...


Abraços Quadernais!

MPF atrás dos músicos

Recado do "percussa" Lobinho:

MPF atrás dos músicos
Em 14/07/2009

A procuradora-geral da República interina, Deborah Duprat, propôs uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para acabar com a regulamentação da profissão de músico. Duprat, que ocupa o cargo até a posse do novo procurador-geral, Roberto Gurgel, pretende que o Supremo considere incompatível com a Constituição a Lei 3.857/60, que criou a OMB (Ordem dos Músicos do Brasil) e estabeleceu requisitos para o exercício da atividade.A argumentação utilizada na ADPF (Arguição de descumprimento de preceito fundamental) 183 é semelhante a que levou ao fim da exigência de diploma para os jornalistas. Depois dessa decisão, o presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, afirmou que outras profissões deveriam ser desregulamentadas.
E que acham?

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Dois discos

Recado do músico Fábio Cavalcante:


Caros amigos,

Montei dois discos selecionando material antigo e coloquei no blog. O primeiro é uma coleção de trilhas sonoras que produzi pra teatro e vídeo; e o segundo é com músicas que tinha gravado entre 99 e 2000, antes do meu disco "FGC Vol. 1", e por isso chamei de "Vol. Zero".

Quem tiver interessado, pode ouvir e baixar nos links a seguir:

Abraços.
Fábio

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Grupo Quaderna - Vídeo 2007

Boa!...

Confira abaixo o vídeo do Quaderna de 2007, participando do programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin. O crédito é do blog Poeiras e Cantos.

video

Abraços do Quaderna!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Sem Música, Com Música...

Recado lá de Ourém:

Em resposta ao término (não sei se provisório) do tradicional Festival da Canção Ouremense, o Arlindo Matos, lá da bela Ourém, convoca a nação de músicos da terra para o "Festival de Música da Montanha". Ocorrerá nos altos da cidade, onde tem a Rádio Tembés FM, no dia 01 de agosto de 2009. O evento pinta com um ar de encontro, onde todos poderão mostrar a cara, sem os leros de inscrições formais! Que tal?... Em breve eu passo os detalhes.
Abraços Quadernais!

Clipping - Entrevista Arraial no JL1

Olá!... Segue a entrevista do Quaderna Allan Carvalho, em atividade também pelo Instituto Arraial do Pavulagem, divulgando o último arrastão junino de 2009. O registro foi em 04.07.09, na TV Liberal, canal 7 - 12h. Apenas para constar!

video

Abraços do Quaderna

terça-feira, 7 de julho de 2009

Show Domínio Público – Áudios

Olá, pessoal!

Nesta postagem vocês podem conferir o show Domínio Público, realizado no fim de maio de 2009, lá no Sisãchammi, o tal “laboratório caseiro” assinado pelo Allan Carvalho e Aninha Moraes.
Quem participou desta edição foi a seguinte rapaziada: Márcio Macedo (voz, violão e percussão); Félix Faccon (voz, violão, banjo, flauta de bambu e percussão), Allan Carvalho (voz, violão, banjo e percussão) e Bola (percussão).

Baixe aqui o show.
Repertório:

Ladainha Marajoara (Allan Carvalho, Félix Faccon e Deó Oliveira)
Sol Negro (Márcio Macêdo)
Quando o Céu Escurece (Márcio Macêdo)
A Passagem (Félix Faccon)
Mundo Louco (Félix Faccon)
Sina de Cantar (Allan Carvalho e Félix Faccon)
Canto no Escuro (Félix Faccon)
Chão Batido (Félix Faccon e Deó Oliveira)
Dezenove (Allan Carvalho, Márcio Macêdo e Camilo Delduque)
Lua de Luana (Allan Carvalho)
Eu Penso em Você (Márcio Macêdo)
Bandeira do Lugar (Márcio Macêdo)
Livramento (Allan Carvalho, Félix Faccon e Deó Oliveira)
Puxirum (Wilson Fonseca)
Beijo da Primavera (Félix Faccon)
Morena Bela (Waldemar Henrique)

Aí vocês irão perceber o clima de descontração, cabendo os devidos improvisos e erros básicos, mas sem deixar a “peteca cair”. Isso porque foi momento de selar mais um encontro de amigos que trabalham no mesmo rumo.

Obs.: sonorização do “gente fina” Bahia. Patrocínio da MM Produções, claro. Fotos de Carlos Borges e Paula Lourinho.
Agora é conferir...

Abraços do Quaderna!

Lado de Dentro

Recado do Marcos Quinan:

Conheça a www.ladodedentro.com.br, loja virtual de cultura brasileira e encontre obras de Villa Lobos, Vinicius de Moraes, Guimarães Rosa, Patativa do Assaré, Thiago de Mello, Pedro Nava, Elomar, Chico Aafa, Dalcídio Jurandir, Zé Alexandre, Nilson Chaves, Quaderna, Darwinson, Juliele, Joãozinho Gomes, Walter Freitas, Mapyu, Celso Viáfora, Vital Lima, Eudes Fraga, Sérgio Souto, Silvilí, Rogéria Holtz, Nazaré Pereira, Genésio Tocantins, Gralha Azul, Eduardo Dias, Chico Lobo, Edyr Augusto, Benedito Monteiro, Camilo Delduque e muitos outros.

Agora é conferir...

Abraços do Quaderna!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Bira - Salvador

Mensagem certeira do Biratan Porto... É vital acompanhar!

Caros amigos:

acompahem esse papagaio gente fina.
http://greencartoon.blogspot.com/
http://biratancartoon.blogspot.com/
http://www.biratan.com.br/







Abraços do Quaderna!

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Quaderna - Como foi em 30.06.09

Alô, amigos!

Confiram a tocada do Quaderna em homenagem ao Meio Quilo, no dia 30/06/09. As fotos foram “batidas” pelo Fábio Cavalcante.







O evento teve apoio: Luciana Melo (cenário e corre-corre); Luciana Leal (telas juninas do cenário); JProduções (desconto na filmagem); MM Produções (desconto na sonorização); Mauro Chorão (que fez a ponte com o Meio Quilo); Dona Jandira e Seu Sales (bebidas e comidas); Heitor MC (caixa); Fabrício (apoio sonorização/imagem); dos meios locais de comunicação (FUNTELPA, Tabajara FM, O Liberal e Diário do Pará).

Músicos: Alan Franklin, Edgar Jr, Abel Oliveira, Ziza padilha, Cincinato Jr e Allan Carvalho. A “canja” especial foi da Lívia Rodrigues.

Áudio: para ouvir a entrevista do Quaderna no programa Fonograma (FUNTELPA), clique aqui!


A matéria que saiu no Diário do Pará:


Confiram as telas da Luciana Leal (http://www.flickr.com/photos/luleal/):





Em breve colocaremos no ar o áudio desse show para quem tiver interesse.
Abraços do Quaderna!